HPV e as Formas de Infecção

As lesões verrucosas não se distribuem uniformemente pela genitália. As áreas afetadas são diferentes, de acordo com o sexo.

No homem, o local do pênis mais acometido pelo HPV é a pele modificada do prepúcio (60% a 90%); no escroto, a incidência varia de 5% a 20% e na uretra, de 9% a 21%. Os homens podem apresentar verrugas assintomáticas, daí o fato de muitos homens conviverem com as verrugas por anos sem procurar algum tipo de tratamento. A infecção na mulher predomina na fúrcula, lábios menores, clitóris, lábios maiores e períneo. Tanto no homem quanto na mulher, a área extragenital mais freqüentemente acometida é a região anal, enquanto podem ocorrer lesões também na cavidade oral.

Existe também a possibilidade de associação de verrugas genitais com outras infecções, como por exemplo: monilíase, em mulheres; gonorréia, sífilis e herpes no homem.
É mais comum em indivíduos com queda da imunidade, como ocorre em diabéticos, transplantados e pacientes com AIDS, entre outros.

Ao contrário do que ocorre na mulher, que apresenta a zona de transformação do colo uterino com predisposição acentuadamente maior para neoplasia do que outras áreas, na genitália masculina não há relação entre a localização da infecção pelo HPV e maior predisposição para a neoplasia. Em homens, a presença de excesso de prepúcio e fimose parece ser um fato modificador da incidência e do desenvolvimento das verrugas genitais pelo HPV.
No espaço subprepucial de indivíduos não circuncisados, observam-se condições ideais, como calor e umidade, para a proliferação das lesões genitais.

Constata-se correlação entre a promiscuidade sexual (vários parceiros diferentes) e a incidência do câncer do colo uterino, porém, hoje se sabe que a incidência de câncer genital é muito maior em mulher cujo parceiro é portador de infecção pelo HPV.
           
Uma vez em contato com o vírus, podemos ter três tipos de infecção:

Clínica: apresenta-se com alguma lesão clínica visível, como verrugas, pápulas, ou máculas. Apenas 20% dos pacientes infectados apresentam verrugas visíveis.
Subclínica: é a situação em que não existe lesão visível, correspondendo a aproximadamente 80% dos casos de infecção. Somente fazemos o diagnóstico através de exames com lentes de aumento e utilização de marcadores (ácido acético e azul de toluidina). Geralmente o diagnóstico é feito em pacientes considerados como grupo de risco, ou seja, pessoas com grau de possibilidade de possuir a infecção.
Latente: é quando encontramos a presença do vírus na região genital, através de um método de biologia molecular, com coleta através de raspado aleatório (swab), e não apresenta lesão clínica ou subclínica. Esse tipo de paciente deve ser investigado com rigor, e como não apresenta nenhum tipo de lesão não deve ser tratado.